Guia de Patologias e Tratamentos

  • Artralgia

    Artralgia é um sintoma que significa dor articular. É uma queixa bastante comum na prática médica e pode estar associada com um grande número de doenças. Na grande maioria das vezes a história clínica e o exame físico bem realizados definem a etiologia. Em alguns casos, a causa pode permanecer indefinida e neste caso o tratamento visa alívio dos sintoma e acompanhamento médico regular.
    É muito importante para o diagnóstico, passar ao médico o máximo de informações:

    1. DOR:
    Quando iniciou; que posições ou situações a dor piora ou melhora; se já fez tratamento para esta dor antes e qual foi o resultado; se dor é acompanhada de inchaço ou calor no local; ...
    2. SINAIS E SINTOMAS EXTRA ARTICULARES:
    Algumas vezes a dor articular é um sintoma de uma doença que atingem outras partes do corpo. Por isso é importante relatar se está apresentando febre, sintomas gastro intestinais, problemas respiratórios, infeção de garganta, olho, nariz, etc.
    3. USO DE MEDICAÇÕES OU VACINAS:
    Algumas medicações e vacinas podem causar dor articular.

    O tratamento depende do diagnóstico da causa da artralgia. Porém algumas medidas são comuns a todos os casos, independente da causa dos sintomas:

    a) Repouso relativo,
    b) Gelo por 20 minutos de 3 a 5 vezes ao dia,
    c) Uso correto da medicação prescrita pelo médico.

    Mais algumas orientações:

    1. Somente a medicação é ineficaz.
    2. Os casos que ficam sem a descoberta da cauda da dor, são a minoria. Sabendo a causa fica mais fácil tratar e impedir novas crises.
    3. Se os sintomas persistirem, piorarem ou ainda surgirem outros sintomas, volte a falar com o seu médico.

  • Artrose

    Artrose é uma doença reumática mais comum entre indivíduos com mais de 50 anos de idade. É uma doença crônica, com várias causas, que leva a incapacidade funcional progressiva.

    As causas mais comuns são:
    fratura articular prévia,
    micro traumas de repetição( em atletas ou pacientes obesos),
    hereditariedade,
    envelhecimento.

    O tratamento precoce e de maneira correta traz considerável melhora da qualidade de vida.

    O paciente pode contribuir muito para melhora da dor e da sua função, através das seguintes medidas:

    1. MANTENHA-SE NUM PESO SAUDÁVEL:

    Se você está acima do peso, cada quilograma de peso que perde diminuir a carga mecânica em cima da articulação do joelho quando estiver em pé.

    2. USO DE SAPATOS ADEQUADOS:

    Prefira calçados que absorvam o impacto e com boa sustentação ao no calcanhar. Converse com o seu médico sobre o uso de palmilhas ou estabilizadores de joelho, se a dor persistir.

    3. EVITER ATIVIDADES DE ALTA SOLICITAÇÃO MECÂNICA DA ARTICULAÇÃO ENVOLVIDA:

    Atividades que exigem muito da junta envolvida devem ser evitadas. Por exemplo: evita de carregar peso para a artrose de ombro e da coluna lombar.

    4. FAÇA EXERCÍCIOS ABAIXO EM SUA CASA:

    Comece suavemente e aumente de maneira progressiva.

    Se os exercícios causarem dor por mais de 2 horas, após o seu término, faça menos na próxima vez.

    5. MANTENHA ACOMPANHAMENTO MÉDICO REGULARMENTE.

  • Artrose Joelho

    Artrose é uma doença reumática mais comum entre indivíduos com mais de 50 anos de idade. É uma doença crônica, com várias causas, que leva a incapacidade funcional progressiva.
    As causas mais comuns são:

    • fratura articular prévia,

    • micro traumas de repetição( em atletas ou pacientes obesos),

    • hereditariedade,

    • envelhecimento.

    O tratamento precoce e de maneira correta traz considerável melhora da qualidade de vida.

    O paciente pode contribuir muito para melhora da dor e da sua função, através das seguintes medidas:

    1.MANTENHA-SE NUM PESO SAUDÁVEL:

    Se você está acima do peso, cada quilograma de peso que perde diminuir a carga mecânica em cima da articulação do joelho quando estiver em pé.

    2.USE SAPATOS ADEQUADOS:

    Prefira calçados que absorvam o impacto e com boa sustentação ao no calcanhar. Converse com o seu médico sobre o uso de palmilhas ou estabilizadores de joelho, se a dor persistir.

    3.EVITE SENTAR EM CADEIRA MUITO BAIXAS:

    Atividades que exigem flexão acentuada dos joelhos, como sentar em cadeiras baixas ou subir escadas, causam maior força mecânica sobre os joelhos, e devem ser evitadas.

    4.FAÇA EXERCÍCIOS REGULARMENTE :

    Comece com caminhadas leves e aumente de maneira progressiva, de acordo com o limite de sua dor.

    Se os exercícios causarem dor por mais de 2 horas, após o seu término, faça menos na próxima vez.

    Além disso, realize exercícios para alongamento e fortalecimento dos musculos do quadril, coxa e joelhos.

    5. MANTENHA ACOMPANHAMENTO MÉDICO REGULARMENTE:

    O tratamento correto consegue melhorar bastante a qualidade de vida do paciente, na maioria das vezes.

  • LCA

    Orientações para Pacientes com Lesão do Ligamento Cruzado Anterior do Joelho (LCA)

    O Ligamento Cruzado anterior do joelho é um dos ligamento mais lesados do joelho. Em metade dos casos de lesão do LCA há associação com outras lesões meniscos ligamentares. Em geral, a incidência é aumentada em pessoas que participam de esportes de alto risco para trauma no joelho, como futebol basquete, handebol, entre outros.
    Estima-se que nos Estados Unidos as lesões do ligamento cruzado anterior são da ordem de 200.000 por ano.
    A evolução da lesão do LCA sem o tratamento cirúrgico varia de paciente para paciente, dependendo do seu estilo de vida, da gravidade da lesão e da presença de sintomas de instabilidade, os falseios.
    O tratamento fisioterápico e o acompanhamento médico regular são fundamentais para identificar os pacientes que os pacientes que serão beneficiados com o tratamento sem cirurgia.
    O tratamento sem cirurgia, atualmente, é indicado para os pacientes que apresentam lesão isolada e que se proponham a modificar suas atividades esportivas. É necessário que abandonem esportes que facilitem o surgimento da dor, inchaço e falseios.
    O tratamento conservador é realizado com fisioterapia, e se baseia em 4 medidas:

    • Trabalho muscularAumentar
      a resistência muscular dos músculos que cruzam o joelho. Através de exercícios fisioterápicos específicos, o joelho lesado é transformado em um “ isquitibial dominante “.

    • Treino de Propriocepção
      Deve ser trabalhada de maneira consciente por meio de exercícios de equilíbrio, postura do joelho no espaço e tempo correto de ação dos flexores.

    • Reeducação Esportiva
      Deve-se estimular a prática de atividades esportivas de baixo risco para o joelho como natação, bicicleta ou corridas.

    O tratamento cirúrgico está indicado quando:

    • O paciente apresenta sinais de instabilidade durante suas atividades de vida diária,

    • O paciente não está disposto a alterar sua rotina esportiva

    • O paciente não conseguiu bons resultados com o tratamento fisioterápico adequado.

    Se este for o seu caso, converse com o seu médico, sobre as opções cirúrgicas disponíveis.
    Lembre-se de tirar todas as suas dúvidas antes do procedimento, principalmente sobre o tempo de repouso e quando poderá voltar à pratica esportiva.

    Melhoras!

  • LCP

    Orientações para Pacientes com Lesão do Ligamento Cruzado Posterior do Joelho (LCP)

    O Lesão do Ligamento Cruzado Posterior do joelho é rara. O diagnóstico pode ser realizado pelo exame clínico.
    A evolução da lesão do LCA sem o tratamento cirúrgico varia de paciente para paciente, dependendo do seu estilo de vida, da gravidade da lesão e da presença de sintomas de instabilidade.
    O tratamento fisioterápico e o acompanhamento médico regular são fundamentais para identificar os pacientes que os pacientes que serão beneficiados com o tratamento sem cirurgia.
    Assim com nos casos das lesões do ligamento cruzado anterior, o tratamento sem cirurgia, atualmente, é indicado para os pacientes que apresentam lesão isolada e que se proponham a modificar suas atividades esportivas. É necessário que abandonem esportes que facilitem o surgimento da dor, inchaço e falseios.
    O tratamento conservador é realizado com fisioterapia, e se baseia em 4 medidas:

    • Trabalho muscular
      Aumentar a resistência muscular dos músculos que cruzam o joelho. Através de exercícios fisioterápicos específicos, o joelho lesado é transformado em um “ isquitibial dominante “.

    • Treino de Propriocepção
      Deve ser trabalhada de maneira consciente por meio de exercícios de equilíbrio, postura do joelho no espaço e tempo correto de ação dos flexores.

    • Reeducação Esportiva
      Deve-se estimular a prática de atividades esportivas de baixo risco para o joelho como natação, bicicleta ou corridas.

    O tratamento cirúrgico está indicado quando:

    • O paciente apresenta sinais de instabilidade durante suas atividades de vida diária,

    • O paciente não está disposto a alterar sua rotina esportiva

    • O paciente não conseguiu bons resultados com o tratamento fisioterápico adequado.

    Se este for o seu caso, converse com o seu médico, sobre as opções cirúrgicas disponíveis. Lembre-se de tirar todas as suas dúvidas antes do procedimento, principalmente sobre o tempo de repouso e quando poderá voltar à pratica esportiva.

    Melhoras!

  • Lesão Ligamento Colateral

    Orientações para Pacientes com Lesões dos Ligamentos Colaterais do Joelho

    O joelho é uma das mais complexas articulações do corpo. Os ligamentos do joelho conectam o osso da coxa (fêmur) com os ossos da perna (tíbia e fíbula).
    Os ligamentos colaterais são encontrados nos lados do joelho. O ligamento colateral medial conecta o fêmur à tíbia. O ligamento colateral lateral conecta o fêmur a fíbula. Estes ligamentos controlam os movimentos laterais do joelho.
    Estes ligamentos são mais superficiais mais comumente lesados que os ligamentos cruzados do joelho. Um trauma direto ou uma mudança brusca de direção pode lesionar estes ligamentos.
    No avaliação médica é muito importante que o paciente descreva a maneira que a lesão ocorreu. Além disso, durante o exame físico, o médico avaliará a integridade de todas as estruturas do joelho e comparar com o joelho não lesionado. Muitas lesões podem ser diagnosticadas deste modo.
    As lesões isoladas dos ligamentos colaterais em sua maioria não necessitam de tratamento cirúrgico, e o paciente é capaz de retornar às suas atividades físicas em 6 a 12 semanas.
    O tratamento consiste de:

    1.GELO LOCAL:
    Faça compressas de gelo por 20 minutos várias vezes ao dia. Evite aplicar o gelo em contato direto com a pele para evitar queimaduras.

    2.REPOUSO:
    Evite temporariamente a atividades de contração do músculo quadríceps em hiperextensão. Em alguns casos, o seu médico pode recomendar o uso de muletas, para evita que você descarregue o seu peso no membro acometido..

    3.ENFAIXAMENTO:
    Para prevenir inchaço adicional e perda sanguínea, você poderá usar joelheiras elásticas até sua reavaliação. Lesões mais graves podem necessitar de imobilizadores de joelho.

    4.USO DE MEDICAÇÕES PARA ALÍVIO DA DOR:
    Faça o uso correto das medicações prescritas por seu médico.
    A medicação fará que você se sinta melhor, contribuindo para diminuição da dor e do inchaço.

    5. EXERCÍCIOS DE FORTALECIMENTO:
    Estes exercícios devem ser iniciados depois que o paciente não sente mais dor a palpação do ligamento colateral lesionado.

    6.RETORNO À PRÁTICA ESPORTIVA:
    Depois que as duas pernas estão com força muscular semelhantes, e não há sinais clínicos de instabilidade dos ligamentos colaterais, o paciente é liberado gradativamente às suas prática esportiva.

    5. MANTENHA ACOMPANHAMENTO MÉDICO REGULARMENTE:
    Mesmo que esteja muito melhor, quase sem sintomas, aguarde sua próxima visita ao médico para retornar às suas práticas esportivas.

    Melhoras!

  • Lesão Meniscal

    Orientações para Pacientes com Lesão Meniscal

    A lesão meniscal é a lesão mais comum no joelho. Apesar de ser mais comum em atletas que fazer esportes de contato, qualquer pessoa em qualquer idade pode apresentar uma lesão do menisco.
    As lesões podem ser agudas ou degenerativas, geralmente associados com osteoartrose do joelho.
    A investigação médica, através da história e do exame físico são muitos úteis par o diagnóstico.
    O tratamento dependerá da sintomas, se é traumática ou degenerativa e ainda da localização e o tipo da lesão.
    O tratamento conservador é indicado:

    • Em lesões pequenas,

    • Nas quais a dor melhora em alguns dias ou semanas,

    • Não possuem bloqueio do movimento.

    Para uma melhor avaliação, é importante que os pacientes sigam as seguintes recomendações:

    1.GELO LOCAL:
    Faça compressas de gelo por 20 minutos várias vezes ao dia. Evite aplicar o gelo em contato direto com a pele para evitar queimaduras.

    2.REPOUSO:
    Evite temporariamente a atividade que causou a lesão. Em alguns casos, o seu médico pode recomendar o uso de muletas, para evita que você descarregue o seu peso no membro acometido.

    3.ENFAIXAMENTO:
    Para prevenir inchaço adicional e perda sanguínea, você poderá usar joelheiras elásticas até sua reavaliação.

    4.MEMBRO ELEVADO :
    Esta é outra medida para evitar e até diminuir o inchaço no joelho.
    Sempre que possível mantenha o joelho elevado, de modo que esta articulação fique acima do nível de seu coração.

    5.USO DE MEDICAÇÕES PARA ALÍVIO DA DOR:
    Faça o uso correto das medicações prescritas por seu médico.
    A medicação fará que você se sinta melhor, contribuindo para diminuição da dor e do inchaço.

    Mas caso os seus sintomas persistirem após o tratamento acima, provavelmente seu médico lhe indicará o tratamento com cirurgia.
    Não deixe de tirar todas as suas dúvidas com o seu médico, principalmente se o seu caso é cirúrgico.

    Melhoras!

  • Mialgia

    Mialgia é um termo médico para dor muscular. É uma queixa bastante comum na prática médica e pode estar associada com um grande número de doenças. Desde quadro auto limitados e sem maiores consequências ( na maioria das vezes) até situações mais graves que requerem cuidados médicos específicos. A história clínica e o exame físico bem realizados na maioria dos casos define a etiologia.
    No seu caso, após sua avaliação clínica, seu médico concluiu que se trata de uma mialgia devido uso de medicações ou inespecífica.
    O tratamento consiste de:

    • a) Repouso da musculatura afetada,

    • b) Gelo por 20 minutos de 3 a 5 vezes ao dia,

    • c) Uso correto da medicação prescrita pelo médico.

    Mais algumas orientações:

    1. Identificar os movimentos que causem dor.

    • i. O músculo está doente. É importante que este seja o menos solicitado possível temporariamente. O repouso das atividades de alta solicitação mecânica contribuem para uma resposta terapêutica mais rápida.

    2. Somente a medicação é ineficaz.

    • i. O gelo e o repouso relativo são muito importantes para a melhora do tratamento.

    • ii. Entre em contato com o médico que lhe prescreveu a medicação que pode ser a causa da dor. Pode ser que seja possível substituí-la por outra que não cause dor muscular.

    3. Se os sintomas persistirem, volte a falar com o seu médico.

    • i. A maioria dos pacientes com mialgia de causa indefinida apresentam alívio dos sintomas após 5 dias de tratamento.

    • ii. Os pacientes cuja a causa é devido a uso de medicamentos, o tempo de melhora é bastante variável e depende do tempo e dosagem da medicação causadora da dor.

    • iii. Sempre que o tratamento proposto não é eficiente é fundamental que o seu médico possa reavaliá-lo. Em alguns casos alguma medidas simples podem ser tomadas e em outros até o diagnóstico inicial é modificado.

  • Lesões Musculares

    Mialgia é um termo médico para dor muscular. É uma queixa bastante comum na prática médica e pode estar associada com um grande número de doenças. Desde quadro auto limitados e sem maiores consequências ( na maioria das vezes) até situações mais graves que requerem cuidados médicos específicos.
    No seu caso, após sua avaliação clínica, seu médico concluiu que se trata de uma mialgia devido a trauma ou esforço excessivo.
    As lesões musculares podem ser causadas por traumas diretos ou indiretos.
    Os diretos ocorrem quando um impacto causa uma compressão do tecido muscular contra o osso. Comum na prática de esportes de contato como o futebol.
    Nos casos do trauma indireto, a dor é causada em resposta a contrações curtas quando o músculo está estirado. É mais comum na prática de atividades que exigem esforço excessivo.
    O tratamento consiste de:

    • a) Repouso da musculatura afetada,

    • b) Gelo por 20 minutos de 3 a 5 vezes ao dia,

    • c) Uso correto da medicação prescrita pelo médico.

    Mais algumas orientações:

    1. Identificar os movimentos que causem dor.

    • i. O músculo está doente. É importante que este seja o menos solicitado possível temporariamente. O repouso das atividades de alta solicitação mecânica contribuem para uma resposta terapêutica mais rápida.

    2. Somente a medicação é ineficaz.

    • i. O gelo e o repouso relativo são muito importantes para a melhora do tratamento.

    3. Se os sintomas persistirem, volte a falar com o seu médico.

    • i. O tempo de melhora dos sintomas depende da extensão da lesão, do grupo muscular envolvido, e das características do próprio paciente. Pacientes não sedentários e não fumantes tem um tempo de recuperação mais curto.

    • ii. A maioria dos pacientes apresenta alívio dos sintomas após 3 dias de tratamento. O retorno às suas atividades sem restrições está liberado quando o paciente consegue realizar todos os movimentos do músculo envolvido, sem dor.

    • iii. Sempre que o tratamento proposto não é eficiente é fundamental que o seu médico possa reavaliá-lo. Em alguns casos alguma medidas simples podem ser tomadas e em outros até o diagnóstico inicial é modificado.

  • Lombalgia

    A dor lombar aguda, também chamada de lombalgia, é a quinta causa de consulta com médicos em prontos socorros dos Estados Unidos. Na Europa, estudos demostram que 84% das pessoas terão um episódio de lombalgia durante as suas vidas.
    Além de comum, a dor lombar, com o sem irradiação das dores para o membros inferiores, apresenta uma evolução natural extremamente favorável. Há uma melhora substancial e rápida da dor e da incapacidade funcional no primeiro mês, com o sem o uso de medicamentos.
    Em 85% dos pacientes com lombalgia, a causa não consegue ser definida, o que não altera o prognóstico da doença. O importante é uma boa avaliação na consulta médica, para excluir os casos cuja etiologia pode ser definida, que correspondem a menos de 10%, e somente nestas situações expor o pacientes a uma investigação mais invasiva.

    Os pacientes com lombalgia, devem estar atentos a seguintes orientações:

    1. Manter-se ativo.
    É importante que o paciente evite ao máximo o repouso absoluto no leito. O paciente deve manter-se ativo, respeitando o limite de sua dor. Nos casos de dor intensa, em que o repouso é imperativo, o paciente deve ser estimulado e encoragado a retornar às suas atividades o mais rápido possível. O repouso por longos período pode contribuir para uma evolução mais arrastada do quadro.

    2. Repouso de suas atividades no trabalho.
    As restrições médicas para o retorno ao trabalho são individualizadas. Devem levar em consideração a idade, estado de saúde e a demanda física da atividade de cada paciente.

    3. Realizar atividades físicas e evitar fumar O sedentarismo e o tabagismo contribuem para que as dores lombares musculo esqueléticas sejam mais frequentes. Além disso estão intimamente relacionadas com maior duração do quadro clínico. Logo que os sintomas melhorem, os pacientes estão liberados para realizar atividades físicas de baixo impacto, como caminhadas.

    4.Aplicação de calor local
    O calor aplicado na região afetada é uma boa opção para o alívio rápido e temporário da dor.

    5. Aguardar o efeito da medicação
    O tempo de resposta da dor à medicação escolhida pelo seu médico, pode levar alguns dias, até a resolução completa da dor. Por isso, além da medicação é importante seguir as orientações acima.

    6. Em caso de piora da dor, ou com o surgimento de novos sintomas, procure seu médico
    Se após algumas semana de tratamento correto, ou se tiver febre, alteração do ritmo e intensidade da dor, procure novamente seu médico para reavaliação.

  • Paciente

    A síndrome do Túnel do Carpo é causada pela irritação ou compressão do nervo mediano no punho. Num círculo rígido, chamado túnel do carpo, passam vários tendões e o nervo mediano. Quando estes tendões ficam maiores e comprimem o nervo, nos chamamos de Síndrome do Túnel do Carpo. É mais comum em mulheres (3 vezes mais que os homens) e na faixa etária entre 45 e 65 anos.
    Pode estar relacionada com o período gestacional, pacientes com hipotireoidismo ou diabetes mellitus. No caso das gestantes, após o parto, os sintomas tendem a desaparecer. Nos outros casos, é muito importante o tratamento e controle desta patologias, para auxiliar no tratamento da Síndrome do Túnel do Carpo.
    O diagnóstico é clínico, baseado a avaliação médica, através de suas queixas, sintomas, sinais e uso de testes clínicos específicos no exame físico.
    A queixa inicial mais frequente é a dormência na mão, principalmente nos dedos polegar, indicador e médio, acompanhada ou não de dor. Este desconforto está presente principalmente à noite.
    Nesta fase é importante que o paciente:

    1. evite atividades que exijam movimentos e força nas mãos.
    Os tendões ficando em repouso relativo temporariamente diminuem a pressão que exercem sobre o nervo mediano

    2. evite deitar sobre a mão ou o braço, comprimindo o nervo.
    Há casos, que a maneira que o paciente dorme exerce uma pressão sobre o túnel do carpo, e comprime o nervo mediano.

    3. evite fumar, ou o consumo de bebidas alcoólicas.
    Há evidências científicas que o abuso de álcool e o consumo de cigarros interferem no curso da doença.

    4. obedeça o tratamento prescrito pelo médico.
    A maioria dos casos leves e iniciais respondem bem ao tratamento não cirúrgico, desde que bem realizado pelo médico e seguido corretamente pelo paciente.

    5. mesmo que melhore os seus sintomas, retorne ao médico para a sua alta.
    Há casos de pacientes que apesar de se sentirem melhor, ainda necessitavam de tratamento por mais tempo, para a resolução completa do caso.

    6. procure seu médico novamente, na presença dos seguintes sintomas:

    • diferença de sensibilidade ao toque dos dedos polegar, indicador e médio,

    • fraqueza nas mãos, com dificuldade para segurar objetos,

    • formigamento constante que atrapalha para executar suas atividades diárias.

    Estes são sintomas de sofrimento maior do nervo mediano, e que em caso de não resposta ao tratamento não cirúrgico em 30 dias, são candidatos ao tratamento com a cirurgia.

    Boa sorte com o seu tratamento!
    Melhoras!

  • Síndrome do Manguito Rotador

    A síndrome do Manguito Rotador, também chamada de Síndrome do Impacto ou simplesmente de “Bursite” é um das causas mais comuns de dor no ombro em adultos.
    A dor pode ser por uma inflamação da Bursa que cobre o manguito rotador ou uma tendinite do próprio manguito. Em alguns casos a ruptura parcial do manguito é a causa da dor.
    Esta síndrome é comum tanto em atletas com em pessoas de meia idade. São particularmente vulneráveis os pacientes que utilizam as mãos acima da altura dos ombros em suas atividades. A dor pode ser também resultado de um trauma ou até mesmo sem causa aparente.
    Os sintomas iniciais são leves e normalmente o paciente não procuram tratamento médico. Na maioria da vezes, desaparecem em poucos dias.
    O diagnóstico é realizado pela avaliação da história do paciente, do exame físico. Algumas vezes são necessários exame de imagens, com raio X e ultrassom.
    O tratamento inicial visa:

    • a) alívio da dor,

    • b) retorno da completa mobilidade articular e da força de movimentos,

    • c) reintegração à vida diária profissional e de lazer.

    Os pacientes devem estar atentos a seguintes orientações:

    1. Identificar os movimentos que causem dor.
    Trata-se de uma desarmonia de função. O tendão doente está trabalhando acima de sua capacidade. É importante que este grupo de tendões sejam o menos solicitado possível, temporariamente. O repouso das atividades de alta solicitação mecânica dos tendões contribuem para uma resposta terapêutica mais rápida.

    2. Realizar atividades físicas e evitar fumar
    O sedentarismo e o tabagismo contribuem para que as tendinites. A falta de exercício contribuem mais tendões e músculos mais frágeis, que suportam menor solicitação mecânica.

    3.Aplicação de calor ou gelo local
    O calor ou o gelo aplicado na região afetada é uma boa opção para o alívio rápido e temporário da dor.

    4. Aguardar o efeito do tratamento. O tempo de resposta da dor ao tratamento escolhido pelo seu médico, pode levar semanas ou meses. Não desista no meio do tratamento, apenas melhora temporária.

    5. Somente a medicação é ineficaz. Como se trata de uma desarmonia de função é imperativo que o paciente altere alguns de seus hábitos.

    Os pacientes devem estar atentos a seguintes orientações:

    1. Identificar os movimentos que causem dor. Trata-se de uma desarmonia de função. O tendão doente está trabalhando acima de sua capacidade. É importante que este grupo de tendões sejam o menos solicitado possível, temporariamente. O repouso das atividades de alta solicitação mecânica dos tendões contribuem para uma resposta terapêutica mais rápida.

    2. Realizar atividades físicas e evitar fumar
    O sedentarismo e o tabagismo contribuem para que as tendinites. A falta de exercício contribuem mais tendões e músculos mais frágeis, que suportam menor solicitação mecânica.

    3.Aplicação de calor ou gelo local
    O calor ou o gelo aplicado na região afetada é uma boa opção para o alívio rápido e temporário da dor.

    4. Aguardar o efeito do tratamento. O tempo de resposta da dor ao tratamento escolhido pelo seu médico, pode levar semanas ou meses. Não desista no meio do tratamento, apenas melhora temporária.

    5. Somente a medicação é ineficaz.
    Como se trata de uma desarmonia de função é imperativo que o paciente altere alguns de seus hábitos, que sabidamente lhe causem mais dor. Em alguns casos, a reabilitação também está indicada.

    6. Mantenha retorno regular com o seu médico.
    O paciente durante o tratamento é reavaliado várias vezes, e suas medicações também podem sofrer alterações. Tenha paciência.

    7. Em caso de urgência, procure um Pronto Atendimento.

  • Tendinites

    Em qualquer Ambulatório ou Pronto Socorro, percebemos que o número de pacientes com “ dor no braço” é muito grande. Nesta denominação agrupam-se pacientes com os mais diversos diagnósticos. Geralmente tratam-se de pacientes que já foram examinados e tratados mais de uma vez, sem obterem melhoras de seus sintomas.
    Não se trata de um diagnóstico simples. É necessário uma boa investigação médica, e aderência ao tratamento por parte do paciente. Não existe um prazo médio para cura pois vários fatores estão envolvidos.
    Diferentemente do que muitos pensam, TENDINITE TEM CURA!. Os casos crônicos, que não respondem ao tratamento, devem ser considerados com “sem melhora clínica no momento”.
    O tratamento inicial visa:

    • a) alívio da dor,

    • b) retorno da completa mobilidade articular e da força de movimentos,

    • c) reintegração à vida diária profissional e de lazer.

    Os pacientes devem estar atentos a seguintes orientações:

    1. Identificar os movimentos que causem dor.
    Trata-se de uma desarmonia de função. O tendão doente está trabalhando acima de sua capacidade. É importante que este grupo de tendões sejam o menos solicitado possível, temporariamente. O repouso das atividades de alta solicitação mecânica dos tendões contribuem para uma resposta terapêutica mais rápida.

    2. Realizar atividades físicas e evitar fumar
    O sedentarismo e o tabagismo contribuem para que as tendinites. A falta de exercício contribuem mais tendões e músculos mais frágeis, que suportam menor solicitação mecânica.

    3.Aplicação de calor ou gelo local.
    O calor ou o gelo aplicado na região afetada é uma boa opção para o alívio rápido e temporário da dor.

    4. Aguardar o efeito do tratamento.
    O tempo de resposta da dor ao tratamento escolhido pelo seu médico, pode levar semanas ou meses. Não desista no meio do tratamento, apenas melhora temporária.

    5. Somente a medicação é ineficaz.
    Como se trata de uma desarmonia de função é imperativo que o paciente altere alguns de seus hábitos, que sabidamente lhe causem mais dor. Em alguns casos, a reabilitação também está indicada.

    6. Mantenha retorno regular com o seu médico.
    O paciente durante o tratamento é reavaliado várias vezes, e suas medicações também podem sofrer alterações. Tenha paciência.

    7. Em caso de urgência, procure um Pronto Atendimento.

  • Síndrome Patelo Femoral

    Orientações para Síndrome Patelo Femoral Trata-se de um grupo de doença mais comum em adolescentes e adultos jovens.
    As causas mais comuns são:

    • sobrecarga na articulação patelo femoral,

    • micro traumas de repetição( em atletas ou pacientes obesos),

    • problemas biomecânicos,

    • disfunções musculares.

    A queixa mais comum é a dor no região frontal do joelho, que piora com atividades como correr, subir ou descer escadas, andar de bicicleta, levantar de uma cadeira. Em caso com mais tempo de evolução, a dor pode surgir quando o paciente ficar muito tempo sentado.
    O paciente pode auxiliar na sua cura através das seguintes medidas:

    1.MANTENHA-SE NUM PESO SAUDÁVEL:
    Se você está acima do peso, cada quilograma de peso que perde diminuir a carga mecânica em cima da articulação do joelho.

    2.USE SAPATOS ADEQUADOS:
    Prefira calçados que absorvam o impacto e com boa sustentação ao no calcanhar. Converse com o seu médico sobre o uso de palmilhas.

    3.FAÇA EXERCÍCIOS PARA FORTALECIMENTO E ALONGAMENTO DA MUSCULATURA DOS JOELHOS:
    Estes exercícios podem ser realizados em casa ou na academia, 20 minutos diariamente

    4. DÊ PREFÊRENCIA A ATIVIDADES DE BAIXO IMPACTO NA ARTICULAÇÃO DOS JOELHOS
    O mais adequado é a caminhada. Caso seja um praticante de corridas, diminua seu ritmo até melhoras dos sintomas e mantenha o fortalecimento e alongamento regularmente.

    5. RETORNO AO MÉDICO REGULARMENTE PARA AVALIAÇÃO.

    Não é incomum os pacientes apresentarem recidiva dos sintomas após longo período assintomáticos. Principalmente em atletas que não fazem o fortalecimento e o alongamento de maneira correta.

  • Cervicalgia

    Orientações para Cervicalgia

    A dor cervical é uma afecção comum. Estima-se que 22 a 70% da população mundial terá uma crise de dor na coluna cervical em algum momento de sua vida. A população mais afetada é a feminina, com idade próxima de 50 anos.

    Além de comum, a dor cervical apresenta uma evolução natural extremamente favorável.

    Há uma grande variedade de causas da dor cervical, mas similarmente ao que ocorre nos casos de lombalgia, a etiologia não é possível de ser identificada na maioria dos casos. Na avaliação médica inicial é imprescindível a investigação de história de trauma, da presença de alterações neurológicas motoras, sensitivas ou de reflexos dos membros superiores e o tempo de início dos sintomas. Felizmente, com está avaliação é possível identificar os casos mais graves, com fraturas de vertebras cervicais ou mielopatias.

    Os pacientes com cervicalgia, devem estar atentos a seguintes orientações:

    1. Manter-se ativo.

    É importante que o paciente evite ao máximo o repouso absoluto no leito. Quando não bloqueio mecânico, está indicada a realização de exercícios leves na região do pescoço, no limite da dor. O uso de colares cervicais, que mantem o pescoço imobilizado, é indicado principalmente nos casos de trauma.

    3. Realizar atividades físicas e evitar fumar

    O sedentarismo e o tabagismo contribuem para que as dores cervicais musculo esqueléticas sejam mais frequentes. Além disso estão intimamente relacionadas com maior duração do quadro clínico. Logo que os sintomas melhorem, os pacientes estão liberados para realizar atividades físicas de baixo impacto, como caminhadas.

    4.Aplicação de calor local

    O calor aplicado na região afetada é uma boa opção para o alívio rápido e temporário da dor.

    5. Aguardar o efeito da medicação

    O tempo de resposta da dor à medicação escolhida pelo seu médico, pode levar alguns dias, até a resolução completa da dor. Por isso, além da medicação é importante seguir as orientações acima.

    6. Em caso de piora da dor, ou com o surgimento de novos sintomas, procure seu médico

    Se após algumas semana de tratamento correto, ou se tiver febre, alteração do ritmo e intensidade da dor, procure novamente seu médico para reavaliação.

Veja também